quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

De que valem os sonhos?

Então veio em minha mente,
O que não imaginava que iria vir,
A pergunta que não quer mais calar,
Em mim, e talvez em você
Talvez, a resposta eu não queira escutar,
Mas é o que eu queria perguntar,
De que valem os sonhos?
São apenas para iludir?
Apenas para nos confundir?

Sonhos, que me fizeram sentir a dor,
Do fim de um amor,
Sonhos que acabaram me iludindo,
E me destruindo aos poucos.
Acabando com cada pedacinho do meu coração,
Sonhos que um dia eu acreditei,
Como em você, neles eu também confiei.

E acabei, não tendo resposta alguma,
Acabei me decepcionando, mais uma vez.
Tirando minhas próprias conclusões,
E tendo mais uma decepção,
Os sonhos, não passam de ilusões,
Não valem nada,
Nem mesmo, a lagrima gerada,
Que ao acordar, saiu de meus olhos,
Após te reencontrar, após ter o prazer de te amar.

Mas nada posso fazer,
Nem ao menos esquecer,
Que um dia sonhei com você.
Não obtive resposta,
Não sei o que fazer para ter,
Como eu disse, nada posso fazer,
Nem voltar a te amar,
Muito menos, tentar evitar,
Ou até mesmo,
Parar de sonhar. 

sábado, 22 de janeiro de 2011

Parei .

Parei de pensar,
E consequentemente, parei de agir.
Parei de falar,
E consequentemente , parei de ouvir.
Parei de enxergar,
O que realmente estar por vir.
Parei de chorar,
Por tudo o que aconteceu aqui.
Parei de sofrer,
Por quem não me quer por aqui.
 
Ouvi de longe o desespero de uma alma,
Que um dia vieste me dizer:
Não pare, continue a caminhar,
Você tem um lugar pra chegar,
Você tem por quem lutar.

Apenas, volte a pensar,
Para poder voltar a agir.
Não finja estar mudo,
Muito menos que um dia foi surdo.
Não finja estar cego,
Pois você não sabe o que está por vir.
Não pare de chorar,
O que aconteceu, já passou, e o choro se eternizou.
Mas pare de sofrer, quem não te quer,
É apenas por que realmente não te merece.

Escutei as palavras que vem do meu coração,
Tentei ouvir a sua canção,
Que disse tudo o que estava em mim.
Mas eu não sou obediente assim,
Tudo o que ele me disse, eu vou respeitar,
Mas uma coisa é certa,
Eu vou parar de amar. 

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Amores -ou não- que eu vivi

Já vivi, amores verdadeiros,
Dos quais não vou esquecer,
Onde lembro de tudo,
Para tentar me aquecer,
E me livrar de toda a dor.

Já vivi, amores falsos,
Que fiz questão de apagar,
De jogar o meu sentimento fora,
Onde não poderei mais achar,
Nem ao menos chorar,
Do passado, que eu não quero lembrar.

Já vivi, amores sinceros,
Com os quais consegui chegar a algum lugar,
Onde consegui me achar,
Sem ao menos ter que procurar,
O que tinha dentro de mim
Ou dentro de você,
Onde tudo fez questão de se encontrar.

Já vivi amores,
Que serviram para ensinar,
E para machucar, e até mesmo,
Para chorar.
Já vivi amores, onde só eu amei,
Onde só eu desejei,
Onde só eu me machuquei,

Já vivi amores,
Já sofri muitas dores,
E aprendi que nem todas as flores,
Estão aqui para me acomodar.

Tudo o que eu vivi,
Tudo o que eu sofri,
Apenas me fez pensar,
Agora eu vou mudar,
E tentar apenas falar,
O que não me faz lembrar,
De tudo o que eu vivi,
Pois tudo o que eu vivi,
Acabou por aqui.

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

A Paz



Eu só queria te encontrar,
Venha aqui para me confortar,
Eu vivo em guerras, e em conflitos.
Eu te procuro, eu te desejo, eu quero você comigo,
A paz, como eu queria estar contigo.

Parei para refletir,
Parei para pensar o que eu realmente tinha,
O que realmente tinha dentro de mim,
E eu vi, ou melhor,
Não vi nada,
Eu quero buscar, o que eu ainda não achei,
Eu quero tirar de dentro de mim,
O que eu ainda não sei,
Nem se existe ou se está dentro de mim.

Eu quero buscar, pela paz.
Paz, paz de espírito,
O que eu ainda não encontrei,
O que ainda não achei em lugar algum,
E talvez não encontre em lugar nenhum,

A paz, ela não está aqui comigo,
Ela não chegou até mim,
Vou busca-la até o fim,
Eu preciso de você aqui,
Paz , não fuja de mim.  

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

eu e você

O céu esta nublado,
O vento está gelado,
O frio toma conta de mim,
Minhas mãos ficam tremulas,
Meu corpo gela,
A espera de um abraço seu.

Para me esquentar,
Para me confortar,
E me fazer feliz,
Como eu sempre quis,
 
O dia está lindo, está frio,
Um dia ótimo para nós,
Para ficarmos a sós,
Deitar no sofá , ver os nossos filmes,
Nos aquecer enrolados nos cobertores,
Um dia ótimo para eu e você.

O frio, toma conta de mim,
Você não pode me esquentar,
Pois você não está aqui,
Não podemos fazer nada o que planejamos,
Não poderei ser feliz,
Não estarei ao seu lado,
Debaixo de nossos cobertores,
Não iremos mais ficar a sós.

Não teremos mais, um dia só para eu e você,
Mesmo porque, não tem eu e você,
Tem apenas eu,
Apenas eu,
E talvez, será assim,
Para todo o sempre.




sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Eu me perdi por querer viver.

Perdido, sem ter como me acomodar,
Sem ter com que falar,
Ou ao menos onde ficar,
Eu me perdi por um amor,
Eu me entreguei a um amor,
E estou perdido nessa dor.

Eu me perdi por querer viver,
E agora estou aqui, tentando encontrar você,
Mas de que vai adiantar?
Se cada vez que eu te encontro,
Eu me perco mais,
Se cada vez que eu te vejo, eu me cego mais.

Mas, nem tudo está perdido,
Nem tudo está acabado,
Ou está, e eu ainda não sei.
Eu me perdi , não sei aonde chegar,
Apenas sei, que não posso parar,
Preciso lutar, preciso chegar a algum lugar.

Mesmo que esse lugar,
Não tenha mais você,
Não tenha mais um motivo para te ter,
Mesmo que esse lugar, seja frio e sombrio,
Vai ser esse lugar, que tentarei me confortar,
E tentarei me achar,
Eu me perdi, por tentar encontrar você,
Eu me perdi por querer viver.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

O que vejo nos meus sonhos.

Sinto um abraço apertado,
Até mesmo o beijo que você me deu,
Sonho com aquele dia ao lado seu,
E acordo e vejo o que realmente aconteceu.

Vejo historias mal contadas,
Vejo coisas que não queria ver,
Vejo o fim de todas as coisas,
Sem sentido , o que eu não pude prever.
O que vejo em meus sonhos,
São coisas que eu não desejo ter.

Historias sem sentido, onde não consigo entender,
Mas o que vejo em meus sonhos,
É breve e simples de dizer,
Talvez seja o fim que eu deverei de ter,
Ou até mesmo o que eu deverei fazer.

O que eu realmente vejo em meus sonhos,
Isso eu não sei, é difícil de entender,
E se eu realmente tenho sonhos?
Eu não consigo saber.
E o que eu acabei de descrever? Meus sonhos?
Percebi que são todos pesadelos,
Da onde eu não consigo mais sair.